October 13, 2020
De parte de Forum Anarquista Especifista
152 puntos de vista






鈥淔eminic铆dios
em
BH:
Duas
mulheres
foram
mortas
pelos
companheiros.
Um
suspeito
foi
preso鈥;
鈥淢ulher

v铆tima
de
feminic铆dio
em
S茫o
Crist贸v茫o鈥;
鈥淐asos
de
feminic铆dio
sobem
73%
nos
primeiros
tr锚s
meses
de
2020
em
rela莽茫o
ao
ano
anterior
no
RS鈥;
鈥淪uspeito
de
matar
a
mulher
em
SP

preso
em
bar
ao
beber
ap贸s
o
crime.鈥
鈥淐asos
de
feminic铆dio
dobram
no
Acre
e
governo
faz
campanha
contra
viol锚ncia
dom茅stica鈥



Essas
s茫o
algumas
entres
tantas
manchetes
de
diversos
sites
e
reportagens
televisivas
relatando
casos
de
feminic铆dio
em
todo
o
pa铆s
s贸
esse
ano.
Os
casos
se
agravam
a
partir
de
mar莽o,
que
inclusive

quando
come莽a
o
isolamento
social
recomendado
pela
OMS
por
conta
da
pandemia.
Os
assassinatos
dessas
mulheres
s茫o
efetuados
de
forma
cruel
e
calculista.
Em
alguns
relatos
o
agressor
diz
鈥渟air
de
e
si
durante
o
ato鈥,
todos
os
relatos
apontam
que
a
causa
foi
o
ci煤mes
ou
posse.
O
curioso

observar
quantos
desses
homens
se
autodeclaram,
logo
ap贸s
o
feminic铆dio,
v铆timas
da
pr贸pria
鈥渋nsanidade鈥.
Quando,
na
verdade,
o
nome
que
se
d谩

crime
premeditado.
Vejam
aqui
alguns
relato
sobre
casos
que
aconteceram
em
abril
desse
ano: 



鈥淎
Pol铆cia
Civil
de
Boituva,
a
121
km
de
S茫o
Paulo,
prendeu
anteontem
um
homem
de
32
anos
suspeito
de
matar
a
pr贸pria
esposa,
enrolar
o
corpo
dela
em
um
cobertor
e
ir
a
um
bar
antes
de
sumir
com
o
cad谩ver.







鈥淎
chilena
Karina
Constanza
Bobadilla
Chat,
de
22
anos,
morta
com
mais
de
20
facadas
no
dia
1潞
de
fevereiro
em
Rio
Branco.
O
motivo
do
crime,
foi
porque
a
v铆tima
n茫o
aceitava
um
relacionamento
com
o
suspeito.鈥







鈥淜atiane
de
Lima,
de
23
anos,
foi
calada
de
forma
brutal
pelo
companheiro
dela
com
pelo
menos
tr锚s
facadas,
no
pesco莽o,
bra莽o
e
costelas.
Ela
estava
com
o
filho
no
colo
na
hora
que
foi
assassinada







鈥淥
da
servidora
p煤blica
Sara
Ara煤jo
de
Lima,
de
38
anos,
morta
a
tiros,
no
dia
13
de
abril.
O
autor
dos
disparos
foi
o
marido
dela,
Jorge
Alberto
Franco
Filho.
Eles
j谩
tinham
se
separado
por
amea莽as
do
companheiro,
Sara
chegou
a
registrar
queixa,
mas
os
dois
reataram
e
tudo
acabou
com
os
dois
mortos.鈥



Em
todos
os
casos,
o
assassino
utiliza
da
mutila莽茫o,
afogamento,
esfaqueamento,
utilizam
ferramentas
como
chaves
de
fenda,
martelo,
pedra,
foice,
arma
de
fogo,
para
matar
sua
companheira.
Segundo
a
pesquisadora,
Jackeline
Aparecida
Ferreira
Romio,
autora
do
estudo
“Feminic铆dios
no
Brasil:
Uma
Proposta
de
An谩lise
com
Dados
do
Setor
de
Sa煤de鈥,

agress茫o

praticado
por
homens
que
tinham
hist贸rico
de
explos玫es
de
ci煤me.

como
se
eles
entendessem
que
aquele
corpo
feminino
pertencesse
a
ele.
Uma
vez
que
a
mulher
n茫o
“obedeceu”

regra,
ele
quis
destru铆-lo.
A
mutila莽茫o
vaginal
ou
de
rosto
est谩
presente
em
40%
dos
casos.




Mas
porque
homens
se
sentem
no
direito
de
tirar
a
vida
de
mulheres?
Porque
na
maioria
das
vezes
a
causa
dessas
mortes
se
d谩
pelo
sentimento
de
posse
sob
o
corpo
dessas
mulheres? 



Vamos
come莽ar
pela
objetifica莽茫o
das
mulheres
sustentadas
pelo
patriarcado
O
feminic铆dio
se
constr贸i
aos
poucos,
nos
detalhes
do
dia
a
dia
da
rela莽茫o.
Vem
maquiado
de
ci煤mes,
cuidado,
amor,
contada
de
gera莽茫o
em
gera莽茫o,
para 
homens
e
mulheres,
desde
a
inf芒ncia,
em
nome
da
manuten莽茫o
do
patriarcado
e
da
submiss茫o
da
mulher.
Mulheres
durante
a
hist贸ria
foram
submetidas
ao
papel
unicamente
satisfat贸rio
para
os
homens,
desde
aos
desejos
f铆sicos
b谩sicos
como
alimenta莽茫o,
at茅
os
desejos
sexuais.
Isso
se
d谩
muito
por
conta
do
constru莽茫o
da
masculidade
e
como
ela
influenciou
no
comportamento
do
homem
e
na
exig锚ncia
dos
mesmos
sobre
o
comportamento
da
mulher.
Por
ser
alimentada
essa
ideia
moral
crist茫
de
que
mulheres
devem 
submiss茫o
aos
homens
por
toda
uma
sociedade
imersas

ideologias
machistas
e
sexistas, 
muitas
vezes
romantiza-se
a
posse
como
sin么nimo
de
amor.
Isso

alimentado
em
romances
na
literatura,
novelas,
m煤sicas.
Existe
todo
um
contexto
social
que
faz
com
que
o
homem
se
enxergue
como
o
provedor,
o
her贸i,
o
macho
alfa,
enquanto
a
mulher
como
um
ser
vulner谩vel,
fraco
e
dependente
(falo
sem
aprofundar
num
quisito
ra莽a,
em
que
para
as
mulheres
negras
e
os
homens
negros
s茫o
dados
pap茅is
muito
mais
agressivos,
mas
a铆

um
papo
para
um
outro
texto).
Quando
uma
mulher
rejeita
a
aten莽茫o
de
um
homem,
esse
tem
sua
masculinidade
ferida,
e
como
ele
鈥渘茫o
pode鈥
demonstrar
fragilidade,
apela
para
a
viol锚ncia.
S贸
que
esse
apelo
tem
matado
mulheres
todos
os
dias
e
culpado
essas
mesmas
mulheres
por
suas
mortes! 



Durante
o
isolamento
social
o
铆ndice
de
viol锚ncia
contra
mulher
f铆sica
e
sexual
cresceu
de
forma
exorbitante,
por茅m
diminuiu
o
numero
de
den煤ncias.
As
v铆timas
n茫o
conseguem
se
deslocar
das
suas
casas
para
fazerem
as
den煤ncias
por
conta
das
medidas
de
prote莽茫o
anunciadas
pela
OMS
e
porque
est茫o
expostas
aos
agressores
vinte
e
quatro
horas
dentro
de
suas
casas
e
por
conta
do
medo,
elas
n茫o
d茫o
a
queixa.
H谩
casos
em
que
o
corpo
da
v铆tima
s贸
foi
encontrado
alguns
dias
depois
do
crime
por
alguns
vizinhos
escondido
em
algum
c么modo
da
sua
casa.
Os
vizinhos
encontraram
por
conta
do
mal
cheiro. 



Mulheres
t锚m
seus
corpos
silenciados
com
a
desculpa
do
鈥渁mar
demais鈥
Quem
ama
n茫o
machuca.
Em
tempos
de
isolamento,
a
exposi莽茫o
desses
corpos
para
com
seus
agressores

ainda
maior
e
tem
acabado
com
mulheres
sendo
assassinadas.
O
pior

a
naturaliza莽茫o
dessas
situa莽玫es
e
a
culpabiliza莽茫o
da
v铆tima
em
todos
os
casos
pela
sociedade
e
muitas
vezes,
a
negligencia
de
tantos
outros
pelo
Estado. 


Quantas
vezes
uma
mulher
ter谩
que
gritar
para
ser
ouvida
e
sua
vida
ser
poupada?













Fuente: Faebahia.blogspot.com