January 27, 2021
De parte de Nodo50
123 puntos de vista


Em 4 de janeiro de 2021, a juíza Vanessa Baraitser negou o pedido dos Estados Unidos para a extradição de Julian Assange. É com certeza uma vitória. O confinamento de Assange para o resto da sua vida nos Estados Unidos, por expor crimes de guerra e crimes contra a humanidade no Iraque, Afeganistão e Guantanamo, foi bloqueado. Pelo menos temporariamente. No fundo, Baraitser aceitou todas as acusações dos EUA contra Assange. Segundo a juíza, Assange teria direito a um julgamento justo nos Estados Unidos. Para ela, jornalismo de investigação é “espionagem”. Liberdade de expressão não significa “você pode publicar o que quiser”.

.

.

Assange no presídio de Belmarsh.

.

.

Embora a secção 4 da Lei de Extradição do Reino Unido diga que “A extradição não será permitida quando for um crime político”, determinou que o tratado de extradição (Extradição do Reino Unido Lei de 2003) se aplicava ao caso de Assange. Finalmente, a proteção de Assange de suas fontes, incluindo Chelsea Manning, equivalia a “piratagem criminosa”…

O único argumento apresentado pela juíza para não extraditar Assange foi o seu estado de depressão e a possibilidade de Assange cometer suicídio se for encarcerado numa prisão supermax [1] nos Estados Unidos. Ela disse: â€œAs proteções na Prisão de Belmarsh limitam o risco de suicídio, mas as condições de isolamento quase total nos Estados Unidos não impedirão o Sr. Assange de encontrar uma maneira de se matar e por isso eu decido que a extradição seria uma medida tirânica por causa do dano moral”. [2] . Sobre os “riscos limitados” em Belmarsh, vamos apenas dizer o seguinte. Em 20 de fevereiro de 2020, um detido de 36 anos foi morto ali por dois outros detidos. Em 2 de novembro de 2020, um brasileiro, que traduzia cartas de Assange para português e que estava na própria ala onde Assange está, suicidou-se porque ia ser deportado para o Brasil! [3]

Mas, para a juíza, ficaria ainda pior se fosse extraditado, Assange seria de facto mantido numa prisão supermax, como a do Colorado, descrita por um ex-diretor como uma â€œversão limpa do inferno” e um â€œdestino pior que a morte”. A juíza acrescentou que, além de seu isolamento, havia â€œum risco real” de que Assange fosse submetido ao SAM medidas administrativas especiais ) . Digamos imediatamente que a juíza não tem nenhum mérito particular na decisão de não extradição: a Lei de Extradição do Reino Unido de 2003 de facto proíbe a extradição se ” a condição física ou mental da pessoa for tal que seria injusta ou tirânico extraditá-lo”. Se o problema de saúde mental não tivesse surgido, a extradição poderia ter ocorrido.

A prisão de Belmarsh, Guantanamo britânico

Provas decisivas sobre o estado de saúde de Assange em relação às condições das prisões onde esteve encarcerado foram fornecidas pela defesa e pela campanha internacional por Assange, provando que extraditar Assange equivaleria a sujeitá-lo ao mesmo tratamento que Chelsea Manning, a denunciante que repetidamente tentou o suicídio na prisão, em março de 2020. [4]

Já em dezembro de 2015, o Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária interveio para denunciar o calvário da prisão de Julian Assange: â€œDesde a sua prisão em 7 de dezembro de 2010, ele ficou fechado durante dez dias na prisão de Wandsworth, em Londres, depois ficou em prisão domiciliar por 550 dias, depois teve quase sete anos de autodetenção na embaixada do Equador em Londres, sob ameaça de prisão se saísse”. [5] Desde abril de 2019, tendo o asilo político sido retirado após a mudança de governo no Equador, e depois de ter sido evacuado à força desta embaixada, Assange foi encarcerado em isolamento quase total em Belmarsh.

A Prisão de Belmarsh foi construída em 1991 como a primeira prisão supermax na Grã-Bretanha, destinada a presos considerados (muito) perigosos e/ou uma “ameaça à segurança nacional”. Tem disposições específicas para a detenção de terroristas, incluindo um túnel que leva a um tribunal próximo, resistente a bombardeios. Em Belmarsh, existe uma prisão dentro da prisão, uma unidade de alta segurança HSU, com capacidade para quarenta e oito reclusos. São pessoas que “representam um grande risco de fuga, terroristas, pessoas que radicalizam outras, ou que continuam a atividade criminosa dentro da prisão”. No início, essa unidade era usada quase exclusivamente para manter prisioneiros do IRA, o Exército Republicano Irlandês. A partir de 11 de setembro de 2001, dia dos ataques em Nova York, a prisão de Belmarsh passou a ter o nome de “Guantanamo Britânico”. Porque, tal como em Guantanamo, várias pessoas foram lá fechadas indefinidamente, exclusivamente por suspeita, sem acusação, sem julgamento, de acordo com as disposições da Lei Antiterrorismo, Crime e Segurança do Reino Unido de 2001.

Mesmo não estando na seção HSU, Assange é tratado como se estivesse lá. Podemos ver disso um exemplo durante as suas transferências para os tribunais. Em fevereiro de 2020, enquanto as audiências ocorriam no Woolwich Crown Court, anexo à prisão e ao qual acedia por um túnel, ele era fechado em várias celas sucessivamente cada dia, de cada vez o corpo era revistado, algemado e à noite, as anotações feitas durante as audiências eram-lhe confiscadas. Em setembro de 2020, no tribunal de Old Bailey, â€œo tratamento cruel de Assange continuou diariamente durante as audiências do julgamento. Depois de Assange ser acordado, é revistado nu, toma o pequeno-almoço, é transportado acorrentado e fica de pé numa camionete fechada até ao tribunal, onde é fechado numa gaiola de vidro. Os mais próximos dele não são a sua equipa de defesa, mas sim os procuradores, que o podem ouvir quando fala. Ele não pode falar com seus advogados. Em vez disso, teve que escrever notas e ajoelhar-se para colocá-las por uma fenda.” [6]

Em 31 de maio de 2020, Nils Melzer, o Relator Especial das Nações Unidas sobre Tortura, após examinar Assange em Belmarsh, concluiu que o seu prolongado isolamento e a difamação incessante de que é vítima, equivalem a â€œformas cada vez mais graves de tratamento ou punição cruel, desumana e degradante, cujos efeitos cumulativos podem ser descritos como tortura psicológica”. A crise de Covid piorou ainda mais essas condições de detenção. De acordo com o especialista da ONU, â€œ65 dos 160 detidos em Belmarsh foram infectados com o vírus Covid 19, incluindo vários na ala onde Assange está detido”. O que é particularmente perigoso para Assange, que sofre de problemas cardíacos e respiratórios. [7] As medidas “sanitárias” tomadas pelas autoridades penitenciárias foram o confinamento total, a cessação de toda possibilidade de exercício para os presos, a proibição de tomar banho, as refeições na cela para todos.

Apesar da situação perigosa e desumana em que se encontra Assange, o tribunal recusou a sua libertação sob fiança em 6 de janeiro de 2021. Isso o torna um jornalista na prisão, em isolamento, esperando não um julgamento, mas um eventual recurso da acusação. O caminho para a sua extradição fica assim aberto: nenhum dos pontos fundamentais da acusação foi questionado pela juíza e o ponto que justificou a recusa de extradição, saúde e condições de reclusão, oferece a possibilidade ao procurador dos Estados Unidos de prometer melhorias e garantias.

Supermax nos Estados Unidos

O julgamento de Assange é, apesar de tudo, a confissão da monstruosidade do sistema prisional que se pratica nos Estados Unidos e que se espalha tanto na Europa como noutros continentes. Eliane Martinez, do Prison Insider , escreveu: â€œO modelo supermax está a espalhar-se pelo mundo … É considerado tratamento desumano pelo Comité das Nações Unidas contra a Tortura”. [8]

O que é o modelo supermax? O sistema supermax nos Estados Unidos remonta à década de 1980. Desde então, pelo menos 60 prisões supermax surgiram, bem como dezenas de secções de isolamento em prisões de alta e média segurança. Essas seções de isolamento são chamadas SHU, IMU, SMU, AU, CU (Security Housing Unit, Intensive Management Unit, Special Management Unit, Administrative segregation, Control unit). Estima-se que 80 a 100 mil presos estejam encarcerados em prisões supermax nos EUA ou seções de segregação por períodos que variam de duas semanas a anos e até décadas.

As prisões Supermax e as unidades de isolamento praticam o que é chamado de regime de “confinamento solitário” – confinamento solitário ao extremo. Sob este regime, o detido encontra-se sozinho na cela, pintada de branco, sem ar fresco e sem luz do dia. O preso fica trancado nesse ambiente estéril de 22 a 23 horas por dia, a saída da cela para o exterior é feita sozinho e em espaço comparável ao da cela. Não há contacto com outros humanos, não há acesso a locais ou atividades comuns e o prisioneiro está sob vigilância de alta tecnologia o tempo todo. Na cela com 7,5 a 9m², na maioria das vezes todos os móveis são fixados no chão: a cama, o lavatório, uma laje de betão que sai da parede e que serve de mesa, um cilindro de betão ou alumínio fixado no chão como uma cadeira. O recluso recebe a comida através de uma portinhola de serviço na porta da cela.

Num dos numerosos relatórios sobre o sistema de confinamento solitário nos Estados Unidos, lemos sobre as unidades de segurança máxima nas prisões do estado de Nova York: â€œA taxa de suicídio de 2015 a 2019 é mais de cinco vezes mais elevada nas unidades de segregação do que no resto do sistema prisional. Esse número é provavelmente muito maior devido à falta de dados sobre suicídios nessas unidades de isolamento. No mesmo período, houve 688 tentativas de suicídio nas prisões estaduais, 43% dessas tentativas de suicídio ocorreram em unidades especiais de isolamento, a uma taxa 12 vezes maior que no restante sistema prisional.” [9]

Testemunhos esmagadores

Embora a juíza e a acusação se tenham posto de acordo em limitar o número de testemunhas convocadas pela defesa, além disto encurtando a duração do seu depoimento e o tempo alocado para as alegações orais, o tribunal teve apesar de tudo de ouvir o testemunho de primeira mão de Maureen Baird. Esta senhora trabalhou para o Federal Bureau of Prisons durante 27 anos, até se reformar. Ela foi membro do pessoal presidiário na Correcional Federal Institutions de Danbury (2009-2014), no Metropolitan Correctional Center em Nova York (2014-2016) e na unidade de segregação da Prisão Marion no Illinois, detalhando as condições de pesadelo que Assange enfrentaria.

Em primeiro lugar, disse ela, Assange seria vítima das mesmas práticas de tortura e extradição ilegal da CIA que ele denunciou no passado. Assange seria tratado “exatamente da mesma maneira” que um terrorista, disse Maureen Baird. Fosse ele detido no Metropolitan Correctional Center em Nova York, no ADX Colorado ou no Alexandria Detention Center na Virgínia, estaria sujeito às mesmas restrições opressivas. â€œQualquer pessoa em prisão preventiva por terrorismo ou qualquer outro tipo de crime de segurança nacional estará sujeito às mesmas medidas”. Na prática, concluiu ela, isso significa que esses detidos estão numa zona de isolamento total.

Na MCC de Nova York, onde trabalhou, essa área é chamada de “10-Sul”. Foi projetada depois de 11 de setembro de 2001, originalmente para detidos na Baía de Guantanamo. Posteriormente, esta área tornou-se uma unidade para detidos sujeitos a SAM (medidas administrativas especiais) e para presumíveis terroristas. Os detidos passam “23 a 24 horas por dia” sozinhos em suas celas. Não têm permissão para comunicar com outros detidos. A única forma de interação humana é quando os guardas da prisão abrem a fenda de observação durante as rondas da unidade, quando funcionários passam pela unidade nas rondas semanais obrigatórias ou quando as refeições são entregues através da abertura de segurança na porta.

O contacto com o mundo exterior também é extremamente limitado. Eles têm direito a um telefonema de meia hora por mês ou a dois telefonemas de quinze minutos por mês para um familiar, que devem ser aprovados pela administração. Todas as comunicações são monitorizadas por um agente do FBI. Para poder fazer uma chamada, é necessário que o pedido seja feito com duas semanas de antecedência, para que as autoridades possam providenciar a disponibilidade de um agente.

Baird descreveu os “lazeres” disponíveis aos presidiários da 10-South como sádicos: â€œEles têm a oportunidade de sair de sua própria cela para outra cela interior vazia. Não há exercícios ou outros equipamentos nesta sala. Pela minha experiência, os detidos frequentemente recusam essa possibilidade porque é basicamente a mesma situação em que estavam”. Ao argumento da acusação de que Assange tem direito a “correspondência grátis”, Baird retorquiu: â€œToda correspondência que chega ou sai é examinada antes de chegar ao destinatário. Às vezes, pode demorar meses, talvez mais, para receber ou enviar qualquer correspondência”.

Quanto ao acesso a um posto médico, â€œtem que estar quase a morrer” para poder lá entrar. Todas essas regras, afirmou ela, não podem ser alteradas ou diminuídas de forma alguma, seja por um diretor ou qualquer pessoa do Gabinete Prisional. Não há nenhuma área cinzenta. Por fim, a Sra. Baird concordou com o advogado de defesa Sickler que â€œo Sr. Assange poderia passar o resto de sua vida numa unidade de segregação [unidade H], onde seria negado acesso às necessidades humanas básicas. Isso inclui não ter contacto físico com a família ou amigos. Os presos experimentam depressão, ansiedade, paranoia, episódios psicóticos e um alto risco de suicídio”.

Abu Hamza.A advogada de defesa Lindsay Lewis, que também era advogada do britânico Abu Hamza, extraditado para os Estados Unidos em 2012 e condenado a prisão perpétua na prisão supermax de Florença desde 2015, confirmou o testemunho de Baird. Segundo ela, Assange está sujeito ao mesmo regime de Abu Hamza. Este último não recebe os cuidados de saúde necessários a diabetes, no entanto prometidos ao aceitar-se a extradição, nem pelos dois braços amputados, nem pelos problemas dentários, causado pelo facto de ter sido forçado a abrir latas de conserva com os dentes.

Sobre as consequências do isolamento da prisão

O número de livros e testemunhos sobre a prática da tortura em confinamento solitário prolongado e suas consequências devastadoras tornou-se impressionante nas últimas décadas. Entre eles está o trabalho iniciado em 2009 por Jean Casella e James Ridgeway para quebrar o silêncio em torno da prática do isolamento prisional e denunciar suas consequências devastadoras. Juntos, eles fundaram o site solitarywatch.org .

Outro pioneiro é Terry Allen Kupers, psiquiatra e professor emérito do Wright Institute Graduate School of Psychology. Durante mais de trinta anos, esteve no terreno observando prisões dos Estados Unidos, especialmente em unidades de isolamento. Sobre os efeitos do encarceramento na psique humana no ambiente violento e superlotado da prisão, ele inverte a ideia de que a prisão é usada para prender pessoas violentas e torná-las menos violentas, afirmando que a violência prisional é a causa de mais violência e de mais problemas psicológicos: â€œPodemos transformar presos normais em pessoas violentas e agressivas, sofrendo de graves problemas emocionais. Prender alguém numa prisão superlotada aumenta o risco de violência, doença, descompensação psicológica (break down) e suicídio… Muitos presos que antes nunca sofreram de depressão caem em depressão profunda e muitos deles acabam cometendo suicídio. Mesmo aqueles que já passaram por uma crise psicótica, com alucinações e delírios, podem estabilizar-se rapidamente e não mais sofrer colapsos nervosos se viverem num ambiente terapêutico e trabalharem numa oficina protegida. Mas se se tornarem sem-abrigo ou forem regularmente traumatizados por insultos, essas mesmas pessoas sofrerão crises nervosas e precisarão ser hospitalizadas. Pessoas com tendência à descompensação psiquiátrica e que passam por fortes tensões poderão escapar do colapso nervoso se viverem em boas condições e se beneficiarem de bons contactos sociais. Mas, se sofrem violações na prisão, se forem acusados de serem delatores ou se forem agredidos por guardas, as mesmas pessoas entrarão em depressão psicótica total.” [10]

As suas constatações, estabelecidas num ambiente prisional normal, são multiplicadas no isolamento prolongado e máximo da prisão. Nas suas visitas a essas unidades de isolamento em quinze Estados dos EUA, ele testemunhou: â€œOuço regularmente punições extremas e excessivas; verifiquei as “extrações de cela”, onde um grupo de guardas em equipamento anti-motim imobiliza um detido borrifando-o com gás e depois entra na cela para controlá-lo violentamente; ouço prisioneiros dizerem que é impossível chamar a atenção dos guardas para problemas médicos ou psiquiátricos urgentes; encontro prisioneiros ferozmente espancados ou violados. O mundo exterior não sabe de nada disto”.

Citado em tribunal em mais de quarenta casos como perito, é reconhecido como autoridade proeminente sobre os efeitos do confinamento em solitária na saúde mental. Num de seus livros [11] , analisa as seguintes consequências: o número de suicídios é maior do que no restante do ambiente prisional; observo sintomas de ansiedade, pânico, paranoia, perda de memória, desesperança dentro dessas unidades; sintomas psiquiátricos muito graves ao sair do confinamento solitário, embora esses ex-presidiários pareçam equilibrados e estáveis exteriormente. Para quem sai após um longo período de confinamento nessas condições, Kupers observou o que chama de “Síndroma de Pós-libertação SHU”: uma tendência muito forte para se isolar num espaço pequeno, limitar o contacto social ao máximo, afundar-se em graves depressões e psicoses e PSTD (transtorno de stress pós-traumático).

[1] O termo “supermax” designa as prisões de segurança máxima
[2] www.bbc.com/news/uk-55528241
[3] BID detention Bail for Immigration Detainees, www.biduk.org/
[4] Chelsea Manning foi libertada, mas ainda corre o risco de ser presa por ocasião da constituição de um Grande Júri que a chamaria. Ela recusa-se a testemunhar perante tal Grande Júri,
[5] news.un.org/en/story/2020/12/1079542
[6] The Tortured Trial of Julian Assange, por Ron Ridenour, 12/10/2020 www.counterpunch.org/2020/10/12/the-tortured-trial-of-julian-assange/
[7] www.independent.co.uk/news/uk/home-news/julian-assange-belmarsh
[8] supermax.be/…
[9] nycaic.org/wp-content/…
[10] Terry Kupers, Prison Madness, The mental health crisis behind bars and what we must do about it , Jossey-Bass publishers, San Francisco, 1999, p. 15 ,
[11] Terry Allen Kupers, Solitary, The Inside Story of Supermax Isolation and How We Can Abolish It , 2017, California University Press

[*] Luk Vervaet – Jornalista, belga.

O original encontra-se em lukvervaet.blogspot.com/… e em www.legrandsoir.info/…

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .




Fuente: Esculca.gal